22 January 2017

I've seen the future, brother: 
it is murder


XTC - Look Look

"And then you ask me whether I approve of violence?..."

Making America great again! (IV)

Making America great again! (III)

Making America great again! (II)

20 January 2017

Making America great again! (I)









Asshole

(daqui)
Olha... estávamos todos enganados, o Trampas até que é fixe: vai "erradicar o terrorismo da face da Terra, o crime, os gangues e as drogas, que tantas vidas roubaram, essa América acaba agora, a carnificina acaba neste preciso momento"... "power to the people" e coiso... porreirinho... vá lá saber-se é por que raio o gajo do KKK está tão feliz...

VINTAGE (CCCXXXIII)

Lydia Lunch - "Gloomy Sunday"

STREET ART, GRAFFITI & ETC (CLXXIX)

Lisboa, Portugal, 2017 (Noty & Aroz/2)

"(...) Importa dizer que o kitsch não se circunscreve ao universo da arte, não é apenas o mau gosto e a banalidade artísticas. Há uma concepção ética do kitsch (formulada por vários artistas e escritores importantes da cultura vienense das primeiras décadas do século XX) que o vê sobretudo como modo de comportamento. A pessoa-kitsch só tem palavras vãs, produz retórica de pacotilha quando julga que está a ser poética, e quanto mais quer engrandecer o objecto dos seus elogios emocionados mais deixa perceber a falsificação. Não é que ele queira mentir, mas a mentira é consubstancial às suas palavras, está colada a elas como uma substância pegajosa. Ele não fala para mentir, mas mente porque fala. A pessoa-kitsch pensa que basta dizer 'alfazema' para que o seu auditório experimente imediatamente o ambiente perfumado, à boa maneira do escritor expressionista, pobre de meios, que diz 'merda' e pensa que os leitores vão sentir o cheiro. O espectáculo do kitsch, sendo despudorado, produz atracção e repulsa, solicita a adesão empática ou provoca uma vergonha que faz corar a quem ele assiste. (...)" (AG)

... e mais e mais kitsch

19 January 2017

Ao cuidado dos juízes do Tribunal Central de Instrução Criminal
Reparem bem: ele sabe pegar na caneta, jura que é capaz de juntar as letras e escrever um bocadinho mais que "mommy", "daddy" e "pussy" (apesar de, como o 44, ter precisado do seu Farinho),  as rugas na testa, por baixo do texugo morto, denunciam o intenso esforço intelectual de iniciar a 2ª linha... e até apresenta foto comprovativa!


... mas há um meliante do gang com graves problemas de leitura



"On the evening of 20 January, just a few hours after the former host of Celebrity Apprentice has taken the oath of office to become the 45th president of the United States, about 80 people in the tiny snowbound town of Saranac Lake in heavily conservative upstate New York will gather for an inauguration party. The event is being billed as a celebration, a chance to rejoice in the electoral victory that saw their political ideals prevail. Food and drink will flow freely, musicians from across the area will perform. The Stars and Stripes will be flown to denote the deep patriotism of the event. And then at the height of the night the carousers will participate in a rendition of Leonard Cohen’s 'Hallelujah', with lyrics specially rewritten for the occasion: 'Trump said he’d make us great again, but we don’t even trust the man, he lies and cheats and tries to foster anger' (...)" (aqui)
Fiona Apple - "Tiny Hands"



Em antecipação do formidável festival da superstição (patrocinado pelo CEO 
da Vaticano S.A.)
   
The Great Fatima Swindle

repõe-se, na íntegra, a série

(do "label" L'Osservatore Romano