10 June 2013

O PENSAMENTO FILOSÓFICO PORTUGUÊS (CXIV) 

João César das Neves



Escutemos as sábias palavras do mestre: agora, poderemos ter de enfrentar "a falência ou o desemprego" (mas "apenas" isso); porém, na vida eterna, seremos ricos - de valores espirituais, claro - e viveremos todos na mansão da "Playboy" ou da "Playgirl" (metáfora para o êxtase perante a divindade *, nada de badalhoquices)

"O ateísmo da maioria dos activistas introduz no drama económico elementos devastadores. Mergulhados em ideologia céptica, têm de enfrentar o mal numa lógica imediatista e sem remissão. Se o horizonte é a morte e o destino o túmulo, qualquer contratempo constitui uma perda irreparável. Se o juízo divino não existe, os maus ganham sempre e este mundo não tem salvação. Quem vive só para o sucesso e prosperidade, na recessão perde a razão de viver. Quem apenas conta com a justiça humana assume vingança ou impunidade. Quem não tem a perspectiva da eternidade só pode ver uma crise financeira como o inferno. O único resultado plausível é o desespero.

Até os não crentes podem compreender quão diferente a mesma desgraça surge a uma pessoa verdadeiramente religiosa. Alguns anos de aperto parecem muito pouco a quem se dirige à vida eterna. Sofrer na companhia de uma Providência benevolente, que acompanha amorosamente cada passo da nossa vida, permite afrontar sem medo os perigos mais assustadores. O testemunho dos mártires de todos os tempos é um consolo para quem apenas enfrenta falência ou desemprego. A certeza de que o Deus de amor terá a última palavra em todos os assuntos humanos liberta-nos de dúvidas ou temores. Da sua fé, o crente obtém a liberdade face aos acasos, a segurança nas tribulações e, acima de tudo, o bem mais raro nas crises financeiras, a esperança". (aqui)

* que é gaja e não um insensível macho da espécie qualquer

6 comments:

Il castello del sogno said...

– E enfim, fechando o préstito, vinte carruagens particulares, vinte e cinco da companhia e algumas de praça – entre as quais notei com admiração alguns operários da Sociedade «Probidade Cristã», que ele tanto ajudara a formar, e que vinham pagar um tributo derradeiro ao homem que, mais que nenhum em Portugal, amou, protegeu e educou o operário! Ali vinham, quatro numa tipóia, nos seus casacos dos domingos, as lágrimas nos olhos, a fé no peito, levar com saudade à sepultura aquele que um dia exclamara na Câmara dos Deputados (sessão de 15 de Agosto, «Diário do Governo» nº 2758): – «Não podemos dar ao operário o pão na terra, mas obrigando-o a cultivar a fé, preparamos-lhe no Céu banquetes de Luz e de Bem-aventurança!»
E quem negará aí que não seja esta a verdadeira maneira de promover a felicidade das classes trabalhadoras?

Eça de Queirós - O Conde d'Abranhos

João Lisboa said...

:-)))))))))

Táxi Pluvioso said...

Este sim é um intelectual brônzeo, os jovens em vez de perderem a sua energia vital, libido, em coisas menores deveriam sair em defesa de das Neves, elevá-lo em ombros, e apresentá-lo aos credores como prova de que somos de confiança, de que temos valor.

João Lisboa said...

"das Neves" soa muito bem.

pvnam said...

--->>> Sem corte com os 'patrioteiros-do-prego'... não há sobrevivência!
--->>> Não é com um partido nacionalista que Portugal vai conseguir SOBREVIVER!...
.
-> De facto, não faz sentido os nacionalistas estarem a concorrer com 'patrioteiros-do-prego' {leia-se, os portugueses que estão a colocar Portugal no prego} que votam em (escolhem) Comissões Liquidatárias [ex: PS, PSD, PCP, etc]!
.
.
Assuntos que não interessam aos 'patrioteiros-do-prego' (e às Comissões Liquidatárias):
1- uma sociedade dotada da capacidade da capacidade de renovação demográfica (média de 2.1. filhos por mulher) - as Comissões Liquidatárias preferem 'naturalizações' [nota: os 'patrioteiros-do-prego' gostam de se armar em parvinhos-à-sérvia (vide Kososvo)];
2- recursos estratégicas para a soberania em mãos nacionais - as Comissões Liquidatárias vendem empresas estratégias à alta finança (capital global);
3- dívida pública moderada/(sob controlo) - as Comissões Liquidatárias (e os 'patrioteiros-do-prego'), mesmo depois de já terem sido estoirados mais de 200 mil milhões em endividamento, continuam a falar em mais e mais despesa... NÃO ENQUADRADA na riqueza produzida!?!?!... Nota: para os 'patrioteiros-do-prego' já se vislumbra uma luz ao fim do túnel: "implosão da soberania, ou o caos" - federalismo...
.
.
{nota: : os separatistas-50-50 não têm nada contra os 'globalization-lovers'... leia-se: os 'globalization-lovers' que fiquem na sua... desde que respeitem os Direitos dos outros... e vice-versa}
{mais uma nota: uma NAÇÃO é uma comunidade duma mesma matriz racial onde existe partilha laços de sangue, com um património etno-cultural comum. Uma PÁTRIA é a realização de uma Nação num espaço}
.
.
SE NÃO CORTAR COM OS 'PATRIOTEIROS-DO-PREGO', PORTUGAL NÃO VAI CONSEGUIR SOBREVIVER... resumindo e concluindo, SEPARATISMO-50-50!
.
OBS:
--- Nazismo não é o ser 'alto e louro'... mas sim a busca de pretextos com o objectivo de negar o Direito à Sobrevivência de outros!...
Nota: é mais fácil apanhar um nazi do que um coxo -> os nazis desmultiplicam-se na busca de pretextos... para negar o Direito à Sobrevivência de outros... um exemplo: os nazis 'globalization-lovers'/(anti-sobrevivência de Identidades Autóctones) buscam pretextos... para negar o Direito à sobrevivência das Identidades Autóctones.
--- Pelo contrário, os SEPARATISTAS-50-50 não têm um discurso de negação de Direito à sobrevivência de outros... os separatistas-50-50 apenas reivindicam o Direito à Sobrevivência da sua Identidade!
{nota: há que mobilizar os nativos... que... possuem disponibilidade emocional para abraçar um projecto de Luta pela Sobrevivência}

João Lisboa said...

http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=hnzHtm1jhL4